ABC Saúde

Butantan amplia centros de pesquisa para identificar variantes da dengue e influenza

O projeto CeVIVAS tem como objetivo sequenciar os vírus circulantes no país para melhorar o desenvolvimento de vacinas pelo instituto

  • Data: 19/07/2023 16:07
  • Alterado: 01/09/2023 16:09
  • Autor: Redação
  • Fonte: Butantan
Butantan amplia centros de pesquisa para identificar variantes da dengue e influenza

 

Crédito:Matheus Batista

Após bons resultados no sequenciamento genômico do vírus da SARS-CoV-2, o Instituto Butantan, órgão ligado à Secretaria de Estado da Saúde, estende seu trabalho para envolver o acompanhamento e sequenciamento dos vírus da dengue e influenza no Estado de São Paulo e no Brasil. 

Este é o objetivo principal do Centro para Vigilância Viral e Avaliação Sorológica (CeVIVAS), um dos Centros de Ciência para o Desenvolvimento (CCDs-SP) apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), com sede no Instituto Butantan. Estes dados auxiliarão nos estudos sobre a história evolutiva desses vírus e conhecer quais são as variantes virais nas regiões estudadas. 

Para conhecer a capacidade protetora das vacinas empregadas, o CeVIVAS investigará se os soros de indivíduos vacinados neutralizam a infecção das variantes circulantes e como é a resposta celular frente à linhagem viral usada na imunização e frente às variantes circulantes na população.

“Faz todo sentido ampliar esse mapeamento para os vírus estratégicos, do ponto de vista de portifólio vacinal do Butantan. Isso vai trazer uma robustez à instituição na discussão de quais são as atualizações necessárias para as vacinas que atendem o país. Nós temos uma ligação importante com o SUS e com a saúde pública a nível nacional”, diz Sandra Coccuzzo, coordenadora do CeVIVAS.

Por meio desse sequenciamento é possível identificar quais eventuais variantes podem surgir e a partir de uma base de dados do CeVIVAS, checar se as vacinas desenvolvidas pelo Butantan protegem a população contra essas novas variantes.

Sobre o CeVIVAS ?

Criado em 2022, os primeiros passos para a elaboração do CeVIVAS foram dados durante a pandemia da Covid-19, quando a equipe liderada pela diretoria do Centro de Desenvolvimento Científico realizou mais de 50 mil sequenciamentos do vírus SARS-CoV-2 no estado de São Paulo, expondo qual era o cenário pandêmico e as novas cepas encontradas em cada região paulista. 

Além do monitoramento dos vírus, o CeVIVAS também tem como missão checar se as pessoas vacinadas com o imunizante disponível estão protegidas dessas novas variantes encontradas. A análise dos sequenciamentos vai ajudar o instituto a atualizar seus produtos. “O projeto permite que o Butantan conheça, de fato, o que está circulando no país e tenha o domínio do conhecimento para poder melhorar suas vacinas”, comenta Maria Carolina Sabbaga, investigadora principal do CeVIVAS. “Este projeto de pesquisa vai diretamente ao encontro da Missão do Instituto Butantan: estar sempre a serviço da Saúde Pública do Estado de SP e do país”, complementou Coccuzzo.

Reconhecimento

De acordo com o Boletim Epidemiológico da Rede de Alertas das variantes do SARS-CoV-2, do CeVIVAS, até maio de 2023 já foram identificadas dez variantes da ômicron no país, são elas: BQ.1.1, BQ.1.1.14, CL.1, BQ.1.1.19, XBF, XBB.1.13, XBB.2.3, XBB.1.5.4, XBB.1.9.2, FH.1., oriundas dos Estados Unidos, Europa, Ásia e Austrália.

O Instituto Butantan também identificou a circulação de 2 novas sublinhagens da variante delta, classificadas como AY.43.1 e AY.43.2 derivadas da variante AY.43. Essas sublinhagens foram definidas pelas mutações não sinônimas características ORF1ab:A4133V e ORF3a:T14I para o AY.43.1 e ORF1ab:G1155C para o AY.43.2. Uma análise realizada pelo CeVIVAS indicou que elas podem ter tido uma provável origem brasileira.

Compartilhar:

  • Data: 19/07/2023 04:07
  • Alterado: 01/09/2023 04:09
  • Autor: Redação
  • Fonte: Butantan









Copyright © 2023 - Portal ABC do ABC - Todos os direitos reservados