Mauá Acontece

Feira celebra o Dia da Mulher Negra Latinoamericana e Caribenha em Mauá

Artesanato, comidas e cultura atraem visitantes e consumidores à Praça da Paineira

  • Data: 25/07/2023 19:07
  • Alterado: 01/09/2023 00:09
  • Autor: Redação
  • Fonte: PMM
Feira celebra o Dia da Mulher Negra Latinoamericana e Caribenha em Mauá

Crédito:Divulgação

“Quando a mulher negra se movimenta, toda a sociedade também se movimenta”, afirma a escritora ativista pelos direitos da população negra, Angela Davis. E, na Praça da Paineira, movimentos de mulheres e homens negros não faltaram na Feira Tereza de Benguela organizada pela Prefeitura de Mauá, por intermédio das secretarias municipais de Políticas Públicas para Mulheres, Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Renda e Empreendedorismo. O evento foi uma comemoração ao Dia da Mulher Negra Latinoamericana e Caribenha, comemorado neste 25 de julho, em femenagem àquela que comandou o Quilombo Quariterê, no Mato Grosso, e a resistência aos portugueses, nos anos 1770.

Para a vice-prefeita e secretária de Políticas Públicas para Mulheres, Celma Dias, “depois destes últimos anos de retrocesso, estamos em uma fase em que homens e mulheres estão em busca de resgatar a representatividade e pela luta antirracista mas temos muita coisa a fazer ainda.”

A Feira teve barracas de artesanato, com brincos, pulseiras bolsas em rolinhos de jornal; crochê, tecido, madeira e outros; exposição e comercialização de produtos da economia solidária; roupas e bijouterias com temática afro; atividades do programa Viver Bem; cadastramento para a Educação de Jovens e Adultos (EJA) e para vagas de empregos pelo CPTR (Centro Público de Trabalho e Renda); orientações para a saúde da população negra e sobre discriminação de gênero, social e racial; entre outros.

Também foi possível comprar o livro ‘Mulheres Negras, Sim”, da pedagoga e professora de Educação Física na rede municipal de Educação, Sandra Regina da Silva Cassimiro. “É um momento de reflexão e visibilidade porque é importante mostrar e refletir sobre a violência, o racismo, a desigualdade que atingem a mulher negra, que está na base da pirâmide socioeconômica”, disse Sandra.

A feira apresentou interessantes elementos, como na barraca de artesanato em madeira do doutor em Engenharia Biomédica, o professor Adilson Ferreira da Silva. Adilson trabalha há 36 anos com análise de Sistemas e se dedica ao artesanato e também à criação de softwares para ensinar Português para pessoas surdas.

Outra artesã é a Ermelinda Marçal, que produz bonequinhas Abayomi, feitas em tecido, sem costura, utilizando apenas nós, sem olhos, nem boca. Ela explica que: há duas versões para a criação das bonequinhas. A primeira é que foi criação da maranhense, artista plástica e militante negra, Lena Martins, como forma de buscar uma identidade. A outra considera uma lenda em que as mães escravizadas faziam bonequinhas com pedaços das próprias roupas para que suas crianças tivessem com o que brincar nas longas viagens nos porões de navios que atravessavam os mares. “Essa história traria um pouco de humanidade para aqueles corpos escravizados, uma forma de repensar e explicar o inexplicável de tratar seres humanos como não humanos”, afirma Ermelinda.

Além das homenagens à Tereza de Benguela, o dia 25 de julho tem outra representatividade, por ter sido a data homologada pela ONU (Organização das Nações Unidas), que se refere ao ano de 1992 quando, em Santo Domingo, República Dominicana, realizou-se o 1º encontro de Mulheres Negras LatinoAmericanas e Caribenhas, que visava denunciar o racismo e machismo enfrentados por mulheres negras, não somente nas Américas, mas em todo o planeta.

Compartilhar:
1
Crédito:Divulgação
1
Crédito:Divulgação
1
Crédito:Divulgação

  • Data: 25/07/2023 07:07
  • Alterado: 01/09/2023 12:09
  • Autor: Redação
  • Fonte: PMM









Copyright © 2023 - Portal ABC do ABC - Todos os direitos reservados