Combate ao trabalho infantil ocupa as ruas de Diadema

Campanha marca o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil e contou com faixas e panfletagem

  • Data: 12/06/2024 14:06
  • Alterado: 12/06/2024 14:06
  • Autor: Redação
  • Fonte: PMD
combate-trabalho-infantil

Crédito:André Baldini

Você está em:

A Comissão do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (COMPETI) de Diadema – comissão intersecretarial ligada à secretaria de Assistência Social e Cidadania (SASC) – mobilizou servidores de diversas secretarias para uma atividade na manhã desta quarta (12), nas ruas do bairro Eldorado, região Sul (e a mais populosa) de Diadema.

Por meio de faixas para os motoristas e panfletagem para o público em geral, os voluntários buscavam conscientizar os moradores sobre a importância de combater o trabalho infantil. O dia 12 de junho é mundialmente marcado por essa luta.

“O objetivo é que não sejam alimentadas práticas de trabalho infantil, tanto nos semáforos, quanto nas casas: Temos muitos casos de crianças realizando trabalho doméstico e as pessoas acham que isso não é trabalho infantil, mas é sim,” explicou Pamila Braz Louzada, responsável pelas ações estratégicas do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil de Diadema. “É preciso que a população entenda que essa prática traz prejuízos e busque se informar, se orientar e denunciar. Também é importante que todos tenham acesso aos serviços disponíveis no município que podem receber crianças e adolescentes, para que elas não fiquem mais vulneráveis ao trabalho infantil.”

Hoje, é considerado trabalho infantil a exploração sexual infantil, as atividades de venda de bala no farol, crianças que acompanham os pais na prática de mendicância, crianças trabalhando em feiras, o trabalho doméstico, cuidar sozinha dos irmãos pequenos, crianças utilizadas como mão de obra na confecção de artesanato ou mesmo em lojas e confecções etc. “Mas a forma mais traumática atualmente, e uma das piores formas de trabalho infantil, é o tráfico de drogas, que acaba envolvendo muitas crianças e adolescentes,” pontuou Pamila.

Dúvidas e denúncias sobre o tema podem ser direcionadas ao telefone (11) 4072-7090 ou diretamente para o disk 100, que é o principal meio de denúncia sobre violação dos direitos da criança.

Compartilhar:

  • Data: 12/06/2024 02:06
  • Alterado: 12/06/2024 02:06
  • Autor: Redação
  • Fonte: PMD









Copyright © 2023 - Portal ABC do ABC - Todos os direitos reservados