Brasil - Mundo Esporte

Presidente do COB diz que Brasil não participará dos Jogos da Amizade de Putin na Rússia

Declaração de Paulo Wanderley Teixeira, presidente do COB, segue recomendação do Comitê Olímpico Internacional

  • Data: 29/03/2024 14:03
  • Alterado: 29/03/2024 14:03
  • Autor: Redação
  • Fonte: Folhapress/André Fontenelle
grande

Paulo Wanderley Teixeira, presidente do COB

Crédito:Reprodução/COB

O presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Paulo Wanderley Teixeira, revelou à Folha de S.Paulo nesta sexta-feira (29) que o país não participará dos Jogos da Amizade, promovidos pelo governo de Vladimir Putin na Rússia para rivalizar com os Jogos Olímpicos de Paris.

De acordo com Teixeira, o Brasil seguirá a orientação do Comitê Olímpico Internacional (COI) de não enviar uma delegação para o evento, previsto para ser realizado entre 15 e 29 de setembro nas cidades de Moscou e Ecaterimburgo.

Por outro lado, o dirigente adiantou que não haverá proibição à eventual participação individual de atletas brasileiros, se as regras das respectivas modalidades assim permitirem.

“Tem que obedecer à Carta Olímpica. A gente não está proibindo. Até porque é uma época fora da lógica de preparação dos atletas, em um período pós Olimpíada”, declarou o presidente do COB.

Paulo Wanderley está na França para visitas ao Comitê Olímpico do país e a instalações na cidade-sede dos Jogos Olímpicos, marcados para o período entre 26 de julho e 11 de agosto. A base da delegação brasileira será a cidade de Saint-Ouen, a cerca de 45 minutos da capital.

“Não tenho comentário a fazer [sobre os Jogos da Amizade], se é algo positivo ou não”, finalizou o dirigente do comitê brasileiro.

Excluída dos Jogos de Paris por causa da guerra na Ucrânia, a Rússia terá uma cota de atletas que poderão participar da disputa, sob bandeira neutra, mas que não estarão no desfile da cerimônia de abertura.

O COI criticou duramente a decisão russa de realizar os Jogos da Amizade em resposta às sanções impostas, acusando o governo Putin de “politizar o esporte” ao promover o evento por meio de uma “intensa ofensiva diplomática” e de contatos diretos com “os governos de todo o mundo”.

Em comunicado oficial, o órgão olímpico pediu ao mundo esportivo e aos governos convidados por Moscou que “rejeitem qualquer participação e apoio” ao novo evento. Em resposta, a Rússia acusou a entidade de “discriminação”, “neonazismo” e “intimidação”.

“As decisões do COI são ilegais, injustas e inaceitáveis. Estamos escandalizados com as condições discriminatórias sem precedentes impostas”, declarou a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova. “Essas declarações demonstram até que ponto o COI se afasta dos seus princípios e se inclina para o racismo e o neonazismo”.

Compartilhar:

  • Data: 29/03/2024 02:03
  • Alterado: 29/03/2024 02:03
  • Autor: Redação
  • Fonte: Folhapress/André Fontenelle









Copyright © 2023 - Portal ABC do ABC - Todos os direitos reservados