Oficina aborda outros modos de produção independente

Artista e Doutor em Educação, Rafael Limongelli pretende motivar a criação de novas práticas em produção cultural, a partir do compartilhamento de sua experiência em projetos independentes.

  • Data: 20/06/2024 19:06
  • Alterado: 20/06/2024 19:06
Rafael Limongelli

Crédito:Divulgação

Você está em:

O Núcleo de Dança e Performance Marcos Sobrinho inaugura a segunda etapa do  projeto ‘Dramaturgias Paralelas’, com o laboratório “Solidariedade e outras vias na produção cultural independente”, conduzido pelo artista, produtor e doutor em Educação, Rafael Limongelli. Com foco em experiências de autogestão de recursos em três iniciativas de sucesso – Capital 35 Espaço Multiartístico (dedicado à dança paulista de 2006 a 2018), Rizoma Livros e FLIPEI, a Festa Literária Pirata das Editoras Independentes, da qual é coordenador –, a oficina irá apresentar o conceito de co-responsabilização econômica, fundamental para o pensamento da economia solidária/economia circular, e algumas estratégias de organização em grupo, buscando ações horizontais e colaborativas, inspiradas nos estudos da Comunicação Não-Violenta, realizados durante as formações na Casa do Povo (SP), com o coletivo dirigido por Ana Terra e Adriana Sumi, e pelas práticas de Marshall Rosenberg.

De maneira inusitada, Limongelli resgata os modos de organização dos piratas, que durante séculos formavam redes de troca de informações e bens, funcionando como ilhas secretas à revelia dos grandes impérios e, segundo ele, “ao contrário do que os livros infantis nos contam, eram defensores de regimes de sociabilidade mais próximos do que nós conhecemos hoje por democracia” –, para associá-los diretamente aos hackers do mundo globalizado pela internet, que ocupam servidores, inventam novos fluxos de circulação de informação e criam ilhas virtuais de trocas de conhecimento independente dos pólos tecnológicos imperialistas e corporativos. Existem outros meios? Como hackear estruturas e piratear recursos para produzir iniciativas independentes? Podemos nos inspirar na ética pirata para inventar novas práticas em produção cultural? Essas e outras questões serão o norte da investigação.

Na produção cultural, muitas vezes nos vemos rendidos a trabalhar a partir de editais públicos ou privados ou através da iniciativa de grandes empresas. Quando momentos de crise chegam, esses projetos são os primeiros a serem cortados e desmontados em prol de outros setores da sociedade”, argumenta Rafael Limongelli, que, por meio do compartilhamento de dinâmicas de gestão administrativa sustentável e práticas de gestão de pessoas de forma coletiva e horizontal, pretende motivar a criação e produção de projetos sem a necessidade de fomentos externos do Estado ou empresas, mobilizando pessoas diretamente, compartilhando recursos em rede e realizando formas alternativas de atuação.

“Solidariedade e outras vias na produção cultural independente” terá duas edições: dias 28 e 29 de junho, sexta, na Tapera Taperá, das 18h30 às 21h30, e na manhã de sábado (das 9h30 às 12h30), na Sobinfluencia edições, ambas na Galeria Metrópole, Centro; e nos dias 5 e 6 de julho, em dois espaços na Bela Vista:  respectivamente, Bar Sol y Sombra (R. Conselheiro Ramalho, 495) e Livraria Simples (R. Rocha, 259), nos mesmos horários da edição anterior.

As inscrições, gratuitas, devem ser feitas até o dia da oficina. através do link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfM7Ki-6K8i_0QeBl62hcwXCQHz3Stah97Fo3_-DsVHBl6Fsw/viewform

Um pouco de Rafael Limongelli

Doutor em Educação (Universidade Estadual de Campinas e Universidade Nova de Lisboa/CAPES), mestre em educação (Universidade Federal de São Paulo/CAPES), bacharel em ciências sociais (PUC-SP) e técnico em artes cênicas (INDAC), Rafael Limongelli se auto define Anarquista. É coordenador da Flipei – Festa Literária Pirata das Editoras Independentes (www.flipei.net.br). Integra do LIMA – Laboratório Insurgente de Maquinarias Anarquistas. É performer no coletivo Cara de Cavalo, com Carolina Bianchi.

A ação faz parte do projeto ‘Dramaturgias Paralelas’, com coordenação geral de Marcos Sobrinho, contemplado pelo Programa de Fomento à Dança para a cidade de São Paulo – SMC.

________________________________

Serviço:

Solidariedade e outras vias na produção cultural independente – Oficina com Rafael Limongelli

Primeira edição: 28 e 29 de junho (sexta, das 18h30 às 21h30; sáb, das 9h30 às 12h30)

28/6 – Tapera Taperá (Galeria Metrópole  – Av. São Luís, 187 – 2º andar, loja 29 – República, São Paulo – SP, 01046-001 – Tel: 11 3151-3797)

29/6 – Sobinfluencia edições (sáb – Galeria Metrópole – Av. São Luís, 187 – 1º andar, sala 12 – República, São Paulo – SP, 01046-001)

Segunda edição: 5 e 6 de julho (sexta, das 18h30 às 21h30; sáb, das 9h30 às 12h30)

5/7 – Bar Sol y Sombra (R. Conselheiro Ramalho, 495 – Bela Vista, São Paulo – SP, 01325-001)

6/7 – Livraria Simples (R. Rocha, 259 – Bela Vista, São Paulo – SP, 01330-000 – Tel: 11 3443-9992)

Primeira aula (3h)

–        Estruturas tradicionais de financiamento, editais públicos e privados, primeiro olhar;

–        Estruturação formal de um projeto: o que, onde, quando, como, com quem, para quê, para quem, com quais recursos.

–        Estruturação formal de um orçamento & explosão de um orçamento, preparando o segundo encontro;

Segunda aula (3h)

–        Solidariedade e apoio mútuo em experiências culturais em rede, estudos de caso:

–        Capital 35 Espaço Multiartístico;

–        A Rizoma Livros;

–        A Flipei – Festa Literária Pirata das Editoras Independentes;

Carga horária de cada edição: 06 horas, em 2 encontros de 3 horas cada.

Público Alvo: estudantes, educadores, artistas da cena e pessoas interessadas em novos modos de produção.

Participação gratuita mediante inscrição prévia no link:

Compartilhar:










Copyright © 2023 - Portal ABC do ABC - Todos os direitos reservados