Brasil - Mundo Sociedade

Latinidades discute políticas públicas para mulheres afro-latinas

Festival começou quinta-feira (6) e vai até domingo (9)

  • Data: 07/07/2023 07:07
  • Alterado: 07/07/2023 07:07
  • Autor: Redação
  • Fonte: Agência Brasil
Latinidades discute políticas públicas para mulheres afro-latinas

16ª edição do Festival Latinidades de Mulheres Negras

Crédito:Rafa Neddermeyer - Agência Brasil

A 16ª edição do Festival Latinidades de Mulheres Negras, Latino-americanas, Caribenhas e da Diáspora Negra teve início nesta quinta-feira (6), no auditório do Museu da República, em Brasília, promovido pelo Instituto Latinidades e que tem apoio da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). Este ano, o tema do festival é “Bem viver” dessas mulheres. A produtora cultural e diretora geral do Festival Latinidades, Jaqueline Fernandes, destacou a relevância dos debates dentro do evento.

“Quando olhamos para os indicadores da condição da mulher negra na sociedade, vemos que ainda tem muita coisa para mudar. É isso que tentamos provocar aqui, com o tema do bem viver, com atividades e tentando expandir o 25 de julho, que é o Dia da Mulher Negra, Latino-americana e Caribenha”, disse.

“O objetivo é ir além dos movimentos sociais. Para que toda a população em geral e a grande mídia possam olhar para essa data. Desejo que ela seja um marco de luta e que possamos celebrar a potência de mulheres negras, mas também denunciar a condição que a mulher negra vive na sociedade racista e machista”, completou.

O primeiro painel do evento dialogou sobre o Bem Viver, políticas públicas e urgências sociais. E contou com a participação das ministras da Igualdade Racial, Anielle Franco; e da Cultura, Margareth Menezes. Também estiveram presentes a secretária Executiva do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC), Rita Cristina de Oliveira, e a deputada federal Celia Xakriabá (PSOL-MG). A mediação da roda de conversas foi feita pela assessora política do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), Carmela Zigoni.

Anielle Franco enfatizou que a representatividade é transformadora e que políticas públicas estão sendo traçadas de forma intersetorial em temas como raça, gênero, renda e religião. “As mulheres negras brasileiras, latinas e caribenhas são formuladoras, executoras e beneficiárias de políticas públicas. São múltiplas com demandas complexas e fazem a economia do país girar. O Brasil feito com mulheres negras é um Brasil muito melhor para todos”, concluiu Anielle.

Margareth Menezes, que já se apresentou no palco da edição de 2011 do Festival Latinidades, hoje falou na condição de ministra da Cultura. Ela listou os editais de projetos abertos pelo ministério para valorizar a cultura do povo brasileiro, em especial das mulheres negras, além de outros recursos federais disponíveis para fomentar o setor, como a Lei Paulo Gustavo, o edital Ruth de Souza para viabilizar projetos de audiovisual; e o edital literário Prêmio Carolina Maria de Jesus, para promover a literatura brasileira escrita por mulheres.

“Quando a mulher negra se movimenta, tudo se movimenta, porque é a base que se movimenta. Ao mesmo tempo, essa potência e a tecnologia que temos de sobrevivência fortalece o Brasil, porque agora, que estamos chegando nos lugares de poder, é uma revolução que se faz, sem armas na mão, que fazemos com a nossa competência, com muita luta, com muito sangue. É uma revolução inteligente”, comemorou Margareth Menezes.

Celia Xakriabá, repudiou homenagens feitas a personalidades consideradas escravocratas de negros e indígenas, opressores e colonizadores europeus, em monumentos e nomes de locais públicos, como ruas, praças e pontes. Por outro lado, a parlamentar apontou que as mulheres indígenas e negras sempre estiveram organizadas contra o conservadorismo e o machismo vigente na sociedade brasileira.

“A luta não começa só quando chegamos a um ministério ou ao parlamento. Começa quando, lá no território, eu falo que para enfrentar a mineração e a colonização, somente ‘mulheração’. Nós chegamos para ‘mulherizar’, para reflorestar e para indigenizar essa política”.

Por fim, a secretaria-executiva do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC), Rita Oliveira, repetiu trechos do discurso de posse como ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, em janeiro deste ano. E exaltou: “Homens e mulheres pretos e pretas do Brasil, vocês existem e são valiosos para nós”.

A secretaria do MDHC relembrou a participação de mulheres negras em momentos históricos do país. “Assim como as mulheres negras foram fundamentais na luta contra a escravidão, para independência desse país, para construção do SUS, para a ciência, para educação, para a política, para o meio ambiente, em todos os espaços sociais, apesar da violência, da invisibilização, nós estamos aqui, nós sempre estivemos aqui e nós resistimos. Nós, do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, contamos com vocês para fazer do Brasil o país do bem viver para todas, para todos e para todes”, finalizou Rita Oliveira.

O Festival Latinidades tem programação no Museu Nacional da República até domingo. Estão previstos debates, palestras, oficinas, vivências, painéis, conferências, lançamentos literários, rodada de negócios, desfiles e apresentações de dança, teatro e música, nos diferentes espaços internos e externos do complexo cultural, no centro de Brasília. Confira no site do evento.

Compartilhar:










Copyright © 2023 - Portal ABC do ABC - Todos os direitos reservados