Brasil - Mundo Brasília

Com Bolsonaro inelegível, PL libera ocupação de cargos e emplaca aliado no DNIT

Líder do bloco oposicionista que reúne PL e Novo no Senado, Wellington Fagundes, apoia indicação para autarquia de ex-diretor do Ministério da Infraestrutura na gestão bolsonarista

  • Data: 05/07/2023 16:07
  • Alterado: 05/07/2023 16:07
  • Autor: Redação ABCdoABC
  • Fonte: Estadão Conteúdo
Com Bolsonaro inelegível

Senador Wellington Fagundes (PL-MT) chancelou indicação para o DNIT

Crédito:Moreira Mariz/Agência Senado

Com o ex-presidente Jair Bolsonaro inelegível, o PL começou a participar da distribuição de cargos no governo Lula. O presidente nacional do partido, Valdemar Costa Neto, liberou parlamentares da bancada para negociarem com o Palácio do Planalto, enquanto a ala bolsonarista faz a oposição mais radical. O movimento começou a surtir efeito e o partido emplacou um aliado no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

Lula indicou o engenheiro Fábio Pessoa da Silva Nunes para a Diretoria de Infraestrutura Rodoviária do DNIT, uma das mais importantes do órgão, que cuida das obras em rodovias pelo País, e cobiçada pelos políticos. Homem de confiança do ex-ministro da Infraestrutura e atual governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP), Nunes foi diretor de planejamento e projetos especiais do Ministério da Infraestrutura na gestão Bolsonaro. A indicação de Nunes foi aprovada pela Comissão de Infraestrutura do Senado na terça-feira, 4, responsável por confirmar as indicações encaminhadas pelo Planalto. A aprovação ocorreu com ampla maioria em uma votação secreta: 19 dos 20 senadores presentes foram favoráveis.

Nunes é ligado à bancada do PL e foi chancelado pelo senador Wellington Fagundes (PL-MT), líder do bloco que reúne PL e Novo no Senado, para a vaga. Fagundes foi o relator da indicação e trabalhou pela aprovação. No mesmo dia, a comissão do Senado aprovou outros três diretores pelo DNIT, indicados por senadores do MDB, legenda que ocupará a maioria dos cargos importantes do departamento em Brasília e nos Estados.

“Não tenho conhecimento de que ele tenha sido indicado pelo PL. Nunes foi coordenador de um diretor do DNIT, natural do Mato Grosso, que também era funcionário de carreira”, afirmou Fagundes.

O senador do PL admite que já votou alinhado com o governo Lula e chegou a prestigiar eventos do presidente em seu Estado. “O governo é para todos. Eu sempre vou apresentar demandas republicanas”, afirmou.

Com sete diretorias e um orçamento de R$ 18,4 bilhões para construir e conservar estradas, ferrovias e hidrovias, o DNIT é uma das joias cobiçadas pelo Centrão em qualquer governo. Dos quatro novos diretores aprovados na Comissão de Infraestrutura na terça-feira, 4, três deles também ocuparam cargos de confiança no governo de Jair Bolsonaro (PL). As quatro nomeações ainda precisam ser aprovadas no plenário do Senado.

Com base favorável no Senado, o governo tenta ampliar seus votos na Câmara dos Deputados. Para isso, articuladores políticos de Lula negociam, dia a dia, com dissidentes do PL, do Republicanos e do PP, enquanto tentam ampliar a fidelidade de partidos como União Brasil, MDB e PSD, contemplados cada um com três ministérios.

Comando do DNIT com Renan

Nessa nova rodada de cargos no DNIT, o MDB do Senado foi o grupo mais fortalecido. O senador Renan Calheiros (MDB-AL) emplacou o diretor-geral da autarquia, Fabricio de Oliveira Galvão, funcionário de carreira do órgão, aprovado por unanimidade com 20 votos na Comissão de Infraestrutura. Ex-superintendente do DNIT em Alagoas, Galvão já despachava como substituto na chefia do órgão desde fevereiro.

Também ficou com o MDB do Senado a diretoria-executiva do DNIT, reservada para Carlos Antonio Rocha de Barros, igualmente servidor de carreira, aprovado no colegiado com só um voto contrário.

Para a Diretoria de Infraestrutura Ferroviária, o senador Confúcio Moura (MDB-RO), presidente da Comissão de Infraestrutura, indicou o engenheiro civil José Eduardo Guidi, ex-diretor do Departamento de Estradas e Rodagem de Rondônia. Ele só teve também um voto contrário no colegiado. Das quatro nomeações desta leva, só Guidi não pertence ao corpo técnico do DNIT.

Em maio, o senador Eduardo Braga, líder do MDB, já tinha emplacado o engenheiro Erick Moura de Medeiros para o cargo de diretor de infraestrutura aquaviária do DNIT.

Em nota, a Associação dos Engenheiros do DNIT (AEDNIT) comemorou o avanço e a indicação dos quatro novos diretores para a autarquia.

“Ressaltamos, com orgulho, que a maioria dos diretores agora empossados são servidores de carreira do próprio DNIT. Essa conquista é uma prova do valor inestimável dos servidores públicos, que dedicam seu talento, esforço e comprometimento para o aprimoramento contínuo do órgão e o atendimento das demandas da sociedade”, exaltou a AEDNIT no comunicado.

Compartilhar:










Copyright © 2023 - Portal ABC do ABC - Todos os direitos reservados