Brasil - Mundo Saúde

Paciente com Parkinson volta a andar após estimulação espinhal

Implantes na coluna provocam impulsos nos músculos da perna; grupo recebeu US$ 1 mi para continuar a pesquisa

  • Data: 06/11/2023 13:11
  • Alterado: 06/11/2023 13:11
  • Autor: Ana Bottallo
  • Fonte: Folhapress
Remover apêndice reduz em 19% risco de Parkinson

Crédito:Reprodução

Um homem de 62 anos com dificuldade de locomoção por doença de Parkinson conseguiu retomar os movimentos nas pernas e andar normalmente após um implante na medula espinhal.

O paciente, Marc, vive em Bordeaux, na França, e recebeu o diagnóstico de Parkinson há 28 anos. Ele passou por remédios e outras terapias para ajudar a reduzir os sintomas associados à perda dos neurônios ligados à locomoção e equilíbrio, mas sem sucesso.

Com a progressão da doença, Marc precisou de outros tratamentos, como a estimulação cerebral profunda, que consiste em implantar alguns eletrodos no cérebro e fazer a estimulação elétrica de áreas afetadas com baixa produção do neurotransmissor dopamina.

No entanto, ele continuava a apresentar sintomas como “congelamento do andar” (freezing of gait, em inglês), onde, por um tempo de duração variada, apesar da intenção de andar, os pés e músculos das pernas “não obedecem” aos comandos cerebrais.

Assim, foram colocados os implantes para receber a chamada estimulação elétrica da epidural (EES, na sigla em inglês) e conseguir retomar o andar naturalmente. O aparelho é ligado quando ele está em movimento e desligado na hora de dormir.

Marc foi o primeiro paciente humano tratado após um ensaio pré-clínico usando nove modelos de animais (macacos Rhesus) com doença de Parkinson em laboratório. Os resultados foram publicados nesta segunda (6) na revista científica Nature Medicine.

A pesquisa conta com a colaboração de Jocelyn Bloch e Eduardo Morad, da Neurocirurgia do Hospital da Universidade de Lausanne (Suíça); do neurocientista Grégoire Courtine, da Escola Politécnica Federal de Lausanne e de outros pesquisadores de ambos os institutos. Os cientistas fazem parte do programa NeuroRestore, fundado em 2018 e com apoio da Fundação Defitech.

Segundo os autores, a EES é uma terapia segura, minimamente invasiva e já aprovada para uso desde a década de 1990 em pacientes que sofreram lesões na medula espinhal e, assim, apresentam paralisia.

A EES estimula diretamente os nervos da medula espinhal ligados à musculatura dos membros inferiores, gerando impulsos. Diferente de exoesqueletos robóticos, é a própria perna do paciente que vai desempenhar a função de locomoção. Como o sistema se conecta em diferentes regiões do membro, o andar é o mais natural possível.

Além dos impulsos na coluna, os movimentos foram acompanhados por uma ressonância magnética cerebral para ver as áreas do cérebro ativadas com o movimento.

Segundo Bloch, muitos dos pacientes tratados por ela apresentavam “congelamento” do andar, o que pode levar a quedas frequentes. “Em resposta à estimulação da medula espinhal, vimos pela primeira vez melhorias significativas no tipo de declínio locomotor observado em pacientes com Parkinson”, diz.

Até o momento, um único paciente tratado representa a chamada “prova de conceito”, mas outros participantes devem ser incluídos em ensaios clínicos para, após esta etapa, aprovar a terapia para uso em larga escala.

Os cientistas caminham para a realização de testes com seis outros pacientes, afirma Courtine. “A terapia é baseada no tipo de estimulação espinhal já utilizado para pacientes com lesões na coluna devido a acidentes adaptados para Parkinson. Um próximo passo natural é aumentar o número de indivíduos para conseguir reproduzir um tratamento que possa ser aplicado em outros pacientes”, pontua.

Se depender da melhora na qualidade de vida dos pacientes, a esperança com a nova terapia é grande. Segundo Marc, ele “renasceu pela segunda vez” com os implantes espinhais. “Eu tive o meu primeiro renascimento há 20 anos, quando fiz a estimulação cerebral profunda, mas infelizmente eu tive uma deterioração dos sintomas nos últimos anos, o que provocava muitas quedas. Há dois anos, a estimulação espinhal melhorou significativamente meu dia a dia”, diz ele.

Segundo Eduardo Morad, engenheiro neurologista, a tecnologia tem a vantagem de ser adaptável. “Não existe uma fórmula só. Algumas pessoas podem apresentar melhora com medicação, outras com estimulação cerebral e outras também com o implante espinhal. Também não há regra de só pode receber o implante quem já fez a estimulação cerebral. E, mais importante, é uma terapia complementar”, afirma.

“Marc já possui Parkinson avançado, e até agora nós vimos uma melhora significativa na sua condição. Isso é muito animador”, finaliza Morad.

A expectativa dos pesquisadores é entrar com o pedido de autorização para o ensaio clínico até abril do próximo ano e, se possível, iniciar o tratamento até o final de 2024.

A equipe recebeu um apoio de US$ 1 milhão (cerca de R$ 5,1 mi) da Fundação Michael J. Fox, o maior fundo filantrópico para pesquisas de Parkinson, criado pelo ator de “De Volta para o Futuro”, que convive com a doença.

Compartilhar:



  • Data: 06/11/2023 01:11
  • Alterado: 06/11/2023 01:11
  • Ana Bottallo
  • Folhapress







Copyright © 2023 - Portal ABC do ABC - Todos os direitos reservados