Exigência de visto para conexões no México causa problemas para brasileiros

De acordo com Daniel Toledo, advogado e especialista em Direito Internacional, existem relatos de pessoas detidas, com celulares e passaportes confiscados

  • Data: 18/05/2023 13:05
  • Alterado: 18/05/2023 13:05
  • Autor: Redação
  • Fonte: Assessoria
Exigência de visto para conexões no México causa problemas para brasileiros

Abstract blur and defocused changi aiport terminal interior for background

Crédito:Divulgação/Freepick

Você está em:

Em 2022, o governo do México passou a exigir vistos de turismo para brasileiros que entrassem em seu território. No entanto, a decisão criou uma série de dificuldades para aqueles que desejam visitar ou trabalhar no país. Além de afetar negativamente as relações comerciais e diplomáticas entre os dois países, o movimento pode prejudicar as oportunidades de intercâmbio cultural e turístico, dificultando o acesso a oportunidades de trabalho e estudo no México.

As novas regras já estão apresentando diversos problemas para brasileiros que não sabiam da novidade e contam com uma conexão no país mexicano. Eles alegam que estão sendo detidos, obrigados a pagar taxas inexistentes e tem seus documentos e celulares confiscados, além de sofrerem constantes discriminações.

De acordo com Daniel Toledo, advogado que atua na área do Direito Internacional, fundador da Toledo e Associados e sócio do LeeToledo PLLC, escritório de advocacia internacional com unidades no Brasil e nos Estados Unidos, o problema teve origem no ano passado, quando o México indicou dificuldades na fiscalização de passageiros vindos da América do Sul. “Isso causou uma enorme pressão por parte do governo americano, que pediu atitudes para conter a onda de imigração ilegal. Com isso, entrou em vigor a necessidade de um visto, até mesmo, para conexões no país. Apesar da medida extremamente restritiva, o governo brasileiro não realizou as mesmas exigências para a população mexicana que visita o Brasil, ao contrário das medidas adotadas recentemente para os EUA, Japão, Austrália e Canadá”, relata.

Com isso, é importante que brasileiros que pretendem viajar ao país ou apenas precisem de uma conexão, agendem uma visita ao consulado Mexicano para a solicitação de um visto. “A taxa para o procedimento é de 51 dólares e tudo deve ser feito no consulado mais próximo do endereço residencial do solicitante. Pessoas que possuem visto americano, canadense, japonês ou europeu contam com a isenção dessa necessidade. No entanto, o processo é alvo de muitas reclamações por ser extremamente burocrático, além de contar com um site pouco intuitivo para usuários menos experientes”, declara.

As regras para conexão exigem que os passageiros não saiam dos aeroportos mexicanos durante seu período de estadia. “Além disso, as autoridades pedem que as pessoas não fiquem no país por mais de 24 horas. Adotando um movimento mais radical para evitar qualquer tipo de imigração ilegal, os mexicanos estão retendo o passaporte e deixando os brasileiros em uma salinha, apelidada de chiqueirinho. É uma situação complexa para aqueles que estão viajando e são obrigados a passarem pelo México”, lamenta Toledo.

Após a adoção das exigências de visto, o fluxo de brasileiros passando pelo México apresentou uma grande queda. “Dados apontam um declínio de 60% no número de brasileiros visitando o país, causando um prejuízo de aproximadamente um bilhão de dólares para as companhias aéreas. Com isso, houve uma redução de 15% nos voos com destino ao México”, finaliza o especialista em Direito Internacional.

Sobre Daniel Toledo

Daniel Toledo é advogado da Toledo e Advogados Associados especializado em Direito Internacional, consultor de negócios internacionais, palestrante e sócio da LeeToledo PLLC. Para mais informações, acesse: http://www.toledoeassociados.com.br

Toledo também possui um canal no YouTube com mais 180 mil seguidores com dicas para quem deseja morar, trabalhar ou empreender internacionalmente. Ele também é membro efetivo da Comissão de Relações Internacionais da OAB Santos, professor honorário da Universidade Oxford – Reino Unido, consultor em protocolos diplomáticos do Instituto Americano de Diplomacia e Direitos Humanos USIDHR e professor da PUC Minas Gerais do primeiro curso de pós-graduação em Direito Internacional, com foco em Imigração para os Estados Unidos

Compartilhar:

  • Data: 18/05/2023 01:05
  • Alterado: 18/05/2023 01:05
  • Autor: Redação
  • Fonte: Assessoria









Copyright © 2023 - Portal ABC do ABC - Todos os direitos reservados