São Paulo Cidade

Em depoimento a Thiago Auricchio, ENEL revela que não vai ressarcir todos os clientes pelo apagão de 3 de novembro

No último dia 30, a Enel anunciou um plano que prevê a isenção de três pagamentos de conta de luz para clientes enquadrados na tarifa social e que são eletrodependentes.

  • Data: 07/12/2023 17:12
  • Alterado: 07/12/2023 17:12
  • Autor: Redação ABCdoABC
  • Fonte: Assessoria
thiago-auricchio-alesp

Crédito:Carol Jacob/Alesp

A Enel não vai ressarcir todos os consumidores que foram afetados pelo apagão do dia 3 de novembro. Revelação foi feita nesta quinta (7), pelo presidente em exercício da empresa no Brasil, Guilherme Lencastre, durante depoimento na CPI da Alesp.

“É inaceitável e um exemplo da falta de compromisso e do respeito da empresa com o povo de São Paulo. Enquanto o comércio teve uma perda incalculável, diversas famílias perderam itens essenciais, como remédio e alimentos. Como eles ficam nessa história? É lamentável que a empresa atue com tanto descaso”, pontua o presidente da CPI, deputado Thiago Auricchio.

Durante os depoimentos dos representantes da concessionária em São Paulo e no Brasil, Max Xavier Lins e Nicola Cotugno, em novembro, na CPI, eles afirmaram que a ENEL buscaria uma forma de ressarcir todos os prejudicados. Nas oitivas, Max e Nicola chegaram a estipular datas, mas descumpriram esses prazos.

“A Enel demonstra mais uma vez todo o seu desprezo com a população, principalmente com aquela que mais precisa. O plano que eles apresentaram recentemente atende uma parcela dos afetados e o restante? Não merece o mesmo respeito e consideração? Nem o TAC proposto pelo Ministério Público eles quiseram assinar”, desabafa o presidente da CPI.

No último dia 30, a Enel anunciou um plano que prevê a isenção de três pagamentos de conta de luz para clientes enquadrados na tarifa social e que são eletrodependentes. Ainda no comunicado divulgado à imprensa, a concessionária afirma que “essa medida de apoio demonstra a sensibilidade e o compromisso social da empresa”.

“Nós não vamos tolerar isso e já estamos trabalhando em conjunto com o Ministério Público, principalmente com a promotoria da Defesa do Consumidor, para encontrarmos alguma forma de fazer com que a Enel arca com o caos que ela deixou para a população”, conclui Thiago Auricchio.

Compartilhar:

  • Data: 07/12/2023 05:12
  • Alterado: 07/12/2023 05:12
  • Redação ABCdoABC
  • Assessoria









Copyright © 2023 - Portal ABC do ABC - Todos os direitos reservados