Brasil - Mundo Famosos

Daniel Alves confirma que mentiu à Justiça, mas nega estupro

Nos primeiros depoimentos de Daniel Alves à Justiça, o jogador chegou a negar que houve quaisquer relações sexuais com a vítima

  • Data: 05/07/2023 17:07
  • Alterado: 05/07/2023 17:07
  • Autor: Redação ABCdoABC
  • Fonte: Estadão Conteúdo
Daniel Alves confirma que mentiu à Justiça

Crédito:Divulgação

Investigado por estupro e violência sexual, Daniel Alves teve trechos de seu depoimento ao Juizado de Instrução de Barcelona revelados nesta semana. Em suas declarações, o jogador voltou a defender que houve relação sexual com o consentimento da suposta vítima, confirmou que mentiu em depoimento e afirmou que, durante o período que permaneceram no banheiro da boate Sutton, perguntou a ela “duas vezes se estava gostando”.

Os áudios foram divulgados pelo programa “Código 10”, da TV Cuatro, da Espanha. Neles, o jogador se defende da acusação de estupro, que teria ocorrido no dia 30 de dezembro, em Barcelona, e afirma que não aconteceu “nada que os dois não quisessem”.

“Não aconteceu nada que não quiséssemos, sempre a tratei com muito respeito. Perguntei duas vezes se ela estava gostando e ela me disse que sim. Foi quando ela se virou de costas para mim e juntou nossas genitais em penetração”, afirmou o jogador, em depoimento. “Ao finalizar, a levantei, ela estava em cima de mim, e ejaculei fora de seu órgão. Nem no banheiro e nem na cabine me disse para parar nenhuma ação.”

Nos primeiros depoimentos de Daniel Alves à Justiça, o jogador chegou a negar que houve quaisquer relações sexuais com a vítima. Em contrapartida, nas novas declarações, revelou que mentiu para proteger seu casamento com Joana Sanz, já que a relação sexual no dia 30 de dezembro aconteceu durante o matrimônio.

“Não posso ratificar a minha primeira declaração. Esse dia eu tinha uma obsessão, que era proteger o meu casamento, proteger a mulher que amo”, afirmou.

ENTENDA O CASO DANIEL ALVES

Daniel Alves teve a prisão decretada no dia 20 de janeiro. Ele foi detido ao prestar depoimento sobre o caso de agressão sexual contra uma mulher na madrugada do dia 30 de dezembro. O Ministério Público pediu a prisão preventiva do atleta de 40 anos, sem direito à fiança, e a titular do Juizado de Instrução 15 de Barcelona acatou o pedido, ordenando a detenção. O Pumas, do México, rescindiu o contrato com o jogador no mesmo dia alegando “justa causa”.

A acusação se refere a um episódio que teria ocorrido na boate Sutton, em Barcelona, na Espanha. O atleta, que defendeu a seleção brasileira na Copa do Mundo do Catar, teria trancado, agredido e estuprado a denunciante em um banheiro da área VIP da casa noturna. A denunciante procurou as amigas e os seguranças da balada depois do ocorrido. Material coletado encontrou vestígios de sêmen, tanto internamente quanto no vestido da denunciante.

A equipe de segurança da casa noturna acionou a polícia catalã (Mossos d’Esquadra), que colheu depoimento da vítima. Uma câmera usada na farda de um policial gravou acidentalmente a primeira versão da vítima sobre o caso, corroborando o que foi dito por ela no depoimento oficial. A mulher também passou por exame médico em um hospital. Daniel Alves foi embora do local antes da chegada dos policiais.

Segundo a imprensa espanhola, a contradição no depoimento do lateral-direito foi determinante para o Ministério Público do país pedir a prisão e a juíza aceitar. No início de janeiro, o jogador deu entrevista ao programa “Y Ahora Sonsoles”, da Antena 3, em que confirmou que esteve na mesma boate que a mulher que o acusa, mas negou ter tocado na denunciante sem a anuência dela e disse que nem a conhecia.

Compartilhar:

  • Data: 05/07/2023 05:07
  • Alterado: 05/07/2023 05:07
  • Redação ABCdoABC
  • Estadão Conteúdo









Copyright © 2023 - Portal ABC do ABC - Todos os direitos reservados