Brasil - Mundo Economia

Contas externas têm saldo negativo de US$ 1,4 bilhão em setembro

Investimentos diretos somaram US$ 3,8 bilhões

  • Data: 06/11/2023 11:11
  • Alterado: 06/11/2023 11:11
  • Autor: Redação
  • Fonte: Agência Brasil
BC desobriga participação de instituições em compartilhamento de dados

Banco Central

Crédito:Marcello Casal Jr - Agência Brasil

Com alta no superávit comercial, as contas externas do país tiveram saldo negativo menor em setembro, chegando a US$ 1,375 bilhão, informou nesta segunda-feira (6) o Banco Central (BC). No mesmo mês de 2022, o déficit foi de US$ 6,940 bilhões nas transações correntes, que são as compras e vendas de mercadorias e serviços e transferências de renda com outros países.

A diferença na comparação interanual é resultado do superávit comercial, que aumentou R$ 5,2 bilhões. Colaborando para o resultado, o déficit em renda primária (pagamento de juros e lucros e dividendos de empresas) recuou em US$ 820 milhões. Por outro lado, o déficit em serviços aumentou US$ 191 milhões.

Em 12 meses encerrados em setembro, o déficit em transações correntes foi de US$ 39,832 bilhões, 1,92% do Produto Interno Bruto (PIB, a soma dos bens e serviços produzidos no país), ante o saldo negativo de US$ 45,397 bilhões (2,21% do PIB) em agosto deste ano e déficit de US$ 56,944 bilhões (3,09% do PIB) no período equivalente terminado em setembro de 2022.

Já no acumulado do ano, o déficit é de US$ 20,895 bilhões, contra saldo negativo de US$ 34,682 bilhões nos primeiros nove meses de 2022.

Balança comercial e serviços

As exportações de bens totalizaram US$ 28,675 bilhões em setembro, redução de 5,2% em relação a igual mês de 2022. As importações somaram US$ 21,463 bilhões, queda de 23,8% na comparação com setembro do ano passado. Com esses resultados, a balança comercial fechou com o superávit de US$ 7,212 bilhões no mês passado, ante saldo positivo de US$ 2,059 bilhões em setembro de 2022.

É o maior superávit comercial para o mês de setembro da série histórica do BC, iniciada em 1995.

O déficit na conta de serviços – viagens internacionais, transporte, aluguel de equipamentos e seguros, entre outros – somou US$ 3,279 bilhões em setembro, aumento de 6,2% ante os US$ 3,088 bilhões em igual mês de 2022. Houve redução no déficit em transporte e aumento em viagens e aluguel de equipamentos.

O déficit na rubrica de transportes passou US$ 1,837 bilhão em setembro de 2022 para US$ 976 milhões no mês passado, recuo de 46,9%. Mês a mês, a melhora vem sendo influenciada por gastos menores em fretes, que tiveram redução devido à queda nos preços internacionais, além queda das quantidades importadas.

No caso das viagens internacionais, há trajetória de recuperação, mas o crescimento do déficit segue em patamares inferiores ao período antes da pandemia da covid-19. Seguindo a tendência dos meses recentes, as receitas de estrangeiros em viagem ao Brasil cresceram 36,1% na comparação interanual e chegaram a US$ 566 milhões em setembro, contra US$ 416 milhões no mesmo mês de 2022.

As despesas de brasileiros no exterior passaram de US$ 907 milhões em setembro do ano passado para em US$ 1,241 bilhão no mesmo mês de 2023, aumento de 36,7%. Com isso, o déficit na conta de viagens fechou o mês com alta de 37,2% frente ao observado em setembro de 2022, chegando a US$ 674 milhões, ante déficit de US$ 491 milhões no mesmo mês do ano passado.

Já em aluguel de equipamentos, as despesas líquidas somaram US$ 750 milhões, aumento de 9,8% em comparação a setembro de 2022, que ficou em US$ 683 milhões.

Rendas

Em setembro, o déficit em renda primária – lucros e dividendos, pagamentos de juros e salários – chegou a US$ 5,468 bilhões, redução de 13% ante os US$ 6,288 bilhões no mesmo mês de 2022. Normalmente, essa conta é deficitária, já que há mais investimentos de estrangeiros no Brasil – e eles remetem os lucros para fora do país – do que de brasileiros no exterior.

As despesas líquidas com juros passaram de US$ 1,240 bilhão em setembro de 2022 para US$ 2,128 bilhões no mês passado. No caso dos lucros e dividendos associados aos investimentos direto e em carteira, houve déficit de US$ 3,369 bilhões no mês de setembro deste ano, frente ao observado em setembro de 2022, de US$ 5,064 bilhões.

A conta de renda secundária – gerada em uma economia e distribuída para outra, como doações e remessas de dólares, sem contrapartida de serviços ou bens – teve resultado positivo de US$ 160 milhões no mês passado, contra superávit US$ 377 milhões em setembro de 2022.

Financiamento

Os ingressos líquidos em investimentos diretos no país (IDP) foram menores na comparação interanual, em razão da queda nas operações intercompanhias. O IDP somou US$ 3,752 bilhões em setembro último, ante US$ 9,628 bilhões em setembro de 2022.

De acordo com o chefe do Departamento de Estatística do BC, a base de comparação de setembro de 2022 está elevada pois, no ano passado, muitas companhias realizaram os investimentos que estavam represados desde a pandemia. Em 2019, na pré-pandemia, o IDP foi de US$ 69,174 bilhões. Em 2020, ele ficou em US$ 37,786 bilhões. Já em 2021, houve crescimento, mais ainda abaixo dos valores do pré-pandemia, para US$ 46,439 bilhões.

“Em 2022, com abertura praticamente integral do país, tivemos o primeiro ano de funcionamento normal da economia e fechamos o ano com IDP de US$ 87,245 bilhões. Não só continuou a retomada da atividade, como foi superior ao patamar pré-pandemia, com aquele montante que estava atrasado ocorrendo em 2022”, explicou em coletiva virtual de imprensa para apresentar os resultados.

Para este ano, a precisão do BC é que os investimentos diretos no país cheguem a US$ 65 bilhões.

O IDP acumulado em 12 meses totalizou US$ 60,042 bilhões (2,89% do PIB) em setembro de 2023, ante US$ 65,918 bilhões (3,21% do PIB) no mês anterior e US$ 72,060 bilhões (3,91% do PIB) no período encerrado em setembro de 2022.

Quando o país registra saldo negativo em transações correntes, precisa cobrir o déficit com investimentos ou empréstimos no exterior. A melhor forma de financiamento do saldo negativo é o IDP, porque os recursos são aplicados no setor produtivo e costumam ser investimentos de longo prazo.

No caso dos investimentos em carteira no mercado doméstico, houve entradas líquidas de US$ 1,835 bilhão em setembro de 2023, compostas por saídas líquidas de US$ 477 milhões em ações e fundos de investimento e por ingressos líquidos de US$ 2,311 bilhão em títulos de dívida. Nos 12 meses encerrados em agosto, os investimentos em carteira no mercado doméstico somaram ingressos líquidos de US$ 15,8 bilhões.

O estoque de reservas internacionais atingiu US$ 340,324 bilhões em setembro, redução de US$ 3,853 bilhões em comparação ao mês anterior.

Compartilhar:



  • Data: 06/11/2023 11:11
  • Alterado: 06/11/2023 11:11
  • Redação
  • Agência Brasil







Copyright © 2023 - Portal ABC do ABC - Todos os direitos reservados