Brasil - Mundo Economia

Com peronismo, pobreza cresce e Argentina vive caos econômico

Há cinco anos, 17,9% dos argentinos viviam abaixo da linha da pobreza, segundo o Instituto Nacional de Estatísticas (Indec)

  • Data: 14/08/2022 18:08
  • Alterado: 16/08/2023 22:08
  • Autor: Redação ABCdoABC
  • Fonte: Estadão Conteúdo
Com peronismo

Economia

Crédito:Marcello Casal Jr - Agência Brasil

Quarta-feira, 20 de julho. Uma garrafa de água de 1,5 litro custa 119 pesos (R$ 2,38), num supermercado da Avenida Corrientes, no centro de Buenos Aires. A etiqueta avisa que o preço está congelado e o estoque do produto já está no fim. Terça-feira, 26 de julho. A água voltou à prateleira do mesmo supermercado, mas a garrafa agora custa 125 pesos, um aumento de quase 5%.

O processo se repete com outros produtos, como óleo de cozinha e biscoito, que também encareceram no intervalo de uma semana, e reflete a gravidade do caos econômico vivido pela Argentina no governo do peronista Alberto Fernández.

Desde o início de julho, Fernández trocou dois ministros da Economia – Martín Guzmán, substituído por Silvina Batakis, sucedida menos de um mês depois por Sergio Massa, atual ocupante do cargo. No mesmo período, o dólar paralelo oscilou de 239 a 316 pesos na sexta-feira, a cotação estava em 295 e o governo alterou as já complexas regras de câmbio em pelo menos uma oportunidade.

Esta reportagem, dedicada à crise Argentina, faz parte de uma série lançada pelo Estadão sobre o crescimento da esquerda na América Latina, que aborda casos de diferentes países da região em que o grupo assumiu o poder nos últimos anos e discute os riscos que isso poderá representar para o futuro.

“PREÇO CUIDADO”

A falta de itens nas gôndolas é mais frequente com os produtos listados como “preços cuidados”, como a garrafa d’água do supermercado da Avenida Corrientes. Funciona assim: o governo determina que algumas marcas e produtos essenciais tenham preços congelados, para tentar conter a alta do custo de vida, principalmente para a população de baixa renda.

Em mais de dez supermercados percorridos pela reportagem em três bairros portenhos, a cena era a mesma. Sempre que a etiqueta “preço cuidado” aparecia, havia uma prateleira vazia, fossem de garrafas d’água, pacotes de biscoitos ou até mesmo a tradicional erva-mate argentina.

O que ocorre na prática é que o volume desses itens com preço menor é insuficiente para suprir a demanda. Eles são os primeiros a sumir das prateleiras e acabam sendo reajustados um tempo depois do congelamento, porque os custos de produção sobem e precisam ser repassados ao preço final. No fim, a política populista do congelamento acaba prejudicando a população que se pretendia beneficiar.

Há cinco anos, 17,9% dos argentinos viviam abaixo da linha da pobreza, segundo o Instituto Nacional de Estatísticas (Indec). Hoje, esse índice mais que dobrou, para 37,5%, e o indicador tende a aumentar conforme a inflação avança e corrói em ritmo acelerado o poder de compra do consumidor.

DÉFICIT

Só em junho, os preços subiram 5,3%. Nos últimos 12 meses, a alta chegou a 64%. Para este ano, analistas preveem uma inflação de 90% e já há quem vislumbre uma hiperinflação caso a crise siga desenfreada.

A principal razão para esse descontrole, diz o economista Camilo Tiscornia, da Pontifícia Universidade Católica da Argentina, é o crescimento do déficit fiscal do país. O governo gasta muito mais do que arrecada. Parte dos gastos vai para subsidiar combustíveis e serviços públicos e para financiar programas sociais. Como esses recursos não existem no caixa federal, a Argentina apela para a impressão indiscriminada de dinheiro para cumprir seu compromisso com a base de apoio peronista.

Em junho, o déficit fiscal argentino aumentou 691% na comparação com o mesmo mês do ano passado, de acordo com o Indec, um resultado que turbina a alta dos preços e expõe o nível a que chegou o descontrole das contas públicas do país.

“Historicamente, a Argentina tem um problema de déficit fiscal. E, se há um déficit, ele tem de ser financiado. Como hoje o governo não encontra crédito, emite dinheiro e a inflação aumenta”, resume Tiscornia.

Outro problema é a falta de moeda forte. As reservas internacionais são estimadas em US$ 32 bilhões. Eram US$ 44,9 bilhões quando Fernández e sua vice, Cristina Kirchner, assumiram o poder, em 2019.

INSUMOS

A queda fez com que, em julho, o governo restringisse ainda mais o acesso de importadores ao dólar – uma medida que lembra, como a impressão ilimitada de dinheiro, a adotada na Venezuela bolivariana por Nicolás Maduro em 2013. “Como o governo precisa garantir dólares para importar energia, restringiu o acesso dos importadores. Com isso, eles não conseguem comprar insumos para produzir o volume necessário de bens para atender à demanda e os preços finais dos produtos acabam subindo”, explica o economista.

Um dos setores mais afetados pela restrição cambial é a agroindústria. Mario Aguilar é um produtor de proteína suína e bovina da Província de Córdoba, na região central da Argentina. Ele relata que as dificuldades para produzir cresceram após a adoção das regras atuais.

“Somos eficientes, mas isso não importa muito diante da desvalorização do peso. Vivemos um dia de cada vez sem saber se compensa levar nossos animais para o abate. Estamos sem dinheiro para comprar insumos, desde maquinário até coisas simples, como material para aquecer os animais no inverno”, conta Aguilar.

Ainda segundo o produtor, os impostos cobrados pelo governo, que transfere para as empresas e para os cidadãos a fatura da gastança, representam um problema grave para o setor. Por isso, ele defende menos impostos e um corte nos gastos públicos, além de uma nova lei trabalhista, para aumentar a competitividade dos produtos argentinos. “Estamos sufocados”, resume.

CONFRONTO

O ambiente desfavorável aos negócios, agravado pela inflação, faz com que muitos produtores prefiram não vender suas safras e poupem em grãos, já que, nos silos, sua produção não se desvaloriza, ao contrário da moeda argentina. É o caso de David Hughes, assessor de produtores rurais e ele próprio dono de uma fazenda de milho e soja. “Prefiro guardar a minha safra, já que no ano que vem pode valer mais, do que vendê-la e ficar com pesos que daqui a pouco não valerão nada.”

As preocupações descritas por Aguilar e Hughes refletem a política de confronto entre os governos peronistas e o agronegócio argentino, que já dura pelo menos 15 anos, de acordo com analistas, e impedem a modernização do setor. “Não há incentivo para investir. Isso requer a estabilidade de ativos e aqui as regras do jogo mudam muito. Por isso, perdemos relevância no mercado mundial”, diz o economista Fernando Villella, da Universidade de Buenos Aires.

Ele cita como exemplo da falta de produtividade a perda de protagonismo da famosa carne argentina, cuja produção, segundo ele, está estagnada há décadas. “O Brasil passou de importador de carne argentina a comprador de frigoríficos aqui. Isso ocorreu porque não cuidamos do empresariado local. Há uma falta de entendimento da complexidade do setor pelo governo”, diz.

As origens dessa decadência remontam a meados do século 20 e a um dos mitos fundadores da Argentina moderna: o caudilho Juan Domingo Perón. Carlos Pagni, comentarista do diário La Nación e do canal 13 de Buenos Aires, cita o trabalho do historiador Tulio Halperin para explicar o impacto de Perón nas sucessivas crises que têm afetado o país nas últimas décadas.

O Perón produziu uma espécie de revolução social sob condições muito específicas. Com uma bonança de recursos externos, ele fez uma grande distribuição de renda, em condições excepcionais do pós-guerra, quando a Argentina era credora da Inglaterra”, conta Pagni. “Todos os governos que se seguiram tentaram, de um jeito ou de outro, reproduzir essa receita e recriar o mito de Perón. Mas, como não tinham condições para fazer isso, entraram em crise.”

O problema de fundo da economia, argumenta Pagni, é que a maioria dos governos argentinos, levada pela bonança da era peronista, trabalha desde então com um câmbio no qual o peso é artificialmente valorizado frente ao dólar, provocando um desorganização geral no sistema.

DESCONFIANÇA

Em 2019, com a derrota eleitoral imposta ao então presidente Mauricio Macri, de centro-direita, que buscava a reeleição, a esquerda ganhou uma nova chance para tentar recriar o mito de Perón. O caminho para a volta ao poder foi pavimentado por meio de uma aliança entre Cristina, que presidiu o país de 2007 a 2015, e Fernández, ex-chefe de gabinete de seu marido Néstor, morto em 2010, que a precedeu no cargo.

Com os baixos preços das commodities nos primeiros anos de governo e com o impacto da pandemia e da guerra na Ucrânia, Fernández acabou radicalizando o receituário econômico adotado por Cristina, que ele prometera evitar. Esse cenário adverso ampliou a desconfiança em torno do presidente, tanto dentro quanto fora das fileiras da esquerda argentina.

Após começar o mandato com uma aprovação elevada, em virtude de sua reação inicial à pandemia, Fernández foi gradativamente perdendo apoio. A perda de confiança na figura do presidente cresceu de forma significativa depois do vazamento de uma foto em que ele aparece em plena quarentena sem máscara em uma festa na residência oficial de Olivos, no aniversário da primeira-dama Fabiana Yáñez.

A partir daí, a popularidade de Fernández, que chegou a bater 67%, não parou mais de cair, afetada também pelo aprofundamento da crise econômica. Sua aprovação diminuiu para 50% no fim de 2020 e hoje está ao redor de 21%, uma das mais baixas entre os governantes da América Latina.

ELEIÇÕES

A conta começou a chegar nas eleições parlamentares do ano passado , quando o peronismo perdeu a maioria que tinha no Senado e sua vantagem na Câmara caiu para apenas duas cadeiras. O processo poderá terminar, segundo as pesquisas, com a derrota no pleito de 2023, no qual Fernández pretende disputar a reeleição.

Numa tentativa de reverter o quadro, Cristina tratou de cativar seu eleitorado mais fiel, principalmente a classe média baixa do entorno da Grande Buenos Aires. Para isso, procurou minar o presidente e Guzmán, então ministro da Economia, responsabilizando o setor produtivo pela crise e defendendo mais gastos públicos, a fim de garantir recursos para a concessão de subsídios e o custeio de programas sociais, mesmo que à custa de mais inflação.

Embora as primeiras sondagens apontem a derrota da esquerda, o cenário eleitoral vai depender de quem unificará os campos do peronismo e da oposição, hoje também dividida. A coalizão de Macri tem três nomes fortes: o prefeito de Buenos Aires, Horacio Larreta, a ex-ministra do Interior Patricia Bullrich e o líder da União Cívica Radical, Gerardo Morales, governador da Província de Jujuy, noroeste do país.

O próprio Macri, que enfrentou uma dura oposição em seu governo e fracassou em sua tentativa de consertar a economia, não descarta uma candidatura. Um obstáculo para isso, no entanto, é a alta rejeição de seu nome junto ao eleitorado – um fenômeno que se repete, em maior escala, com Cristina.

Apesar de as forças tradicionais ainda dominarem a cena política muitos argentinos se dizem desiludidos com os rumos do país. Vanesa Miglio, diretora de TI de uma empresa de Buenos Aires, rechaça nomes ligados à “velha política” à esquerda e à direita. “Temos uma geração de políticos que não sabe o que é pagar um salário ou ter um negócio. Sempre viveram à custa do Estado”, diz.

LIBERALISMO

Seu candidato para 2023 é Javier Milei, que defende um liberalismo radical e conquistou uma vaga na Câmara dos Deputados no ano passado. Milei apoia propostas polêmicas, como a liberação da venda de órgãos e a extinção do Banco Central, e tem apelo junto à classe média portenha. Na avaliação de analistas ouvidos pelo Estadão, porém, ele deverá ter poucos votos fora da capital, ainda que possa ter alguma influência num eventual governo de centro-direita.

Agora, independentemente de quem serão os candidatos nas eleições do ano que vem, os argentinos terão, mais uma vez, a oportunidade de reavaliar as suas escolhas e deixar para trás o caos econômico.

Compartilhar:

  • Data: 14/08/2022 06:08
  • Alterado: 16/08/2023 10:08
  • Redação ABCdoABC
  • Estadão Conteúdo









Copyright © 2023 - Portal ABC do ABC - Todos os direitos reservados